04 Dicas de desenhos indies para assistir hoje

Procurando indicações de desenhos indies? Este artigo é para você!

Fizemos uma lista com as principais opções de animações e desenhos indies que você pode começar a maratonar hoje mesmo.

O termo “indie” veio de uma abreviação do termo em inglês “independent”, representando qualquer produção fora das grandes produtoras, ou seja, produções autorais, que estão à margem do que é considerado tendência.

Desse modo, o conceito indie se aplica não apenas a desenhos, mas também a música, ao cinema e afins.

Mas o termo se popularizou e criou um certo hype em torno. Ou seja, o que era alternativo, ganha destaque em alguns lugares. Saiba mais:

O que é “indie”?

Antes de mais nada, vamos entender um pouco mais sobre este conceito – que surgiu na música.

Hoje em dia, indie-rock, indie-folk, indie-dance, indie-hip-hop e até mesmo indie-clássico são termos comumente usados ​​para descrever as ramificações de um gênero em evolução, uma vez referido como “indie”.

O termo deriva de “independente” – o que significa uma gravadora que opera independentemente das gravadoras comerciais convencionais. Essas gravadoras independentes existiam muito antes das gravadoras icônicas da música da era pós-punk.

O conceito se aplicou a outras cenas também e nas produções de desenho e animação não é diferente.

Desse modo, as animações e os desenhos indies acumularam muitos fãs justamente pelas características peculiares que os distinguem das opções mais comerciais.

Desenhos indies

Já falamos aqui um pouco sobre animes. Agora fique com algumas sugestões de desenhos indies para maratonar:

1. Louise by the Shore – Jean-François Laguionie

04 Dicas de desenhos indies para assistir hoje
04 Dicas de desenhos indies para assistir hoje

É quase um crime cultural que a comovente animação do veterano diretor francês Jean-François Laguionie não tenha obtido o reconhecimento merecido nos grandes festivais e eventos de animação.

A auto-abandonada velha senhora Louise na costa da Grã-Bretanha espera o verão voltar, mas sua mente se perde.

Olhando para trás e para frente no tempo, Jean-François Laguionie pinta seus pensamentos em uma paleta visual que, por sua vez, traz mais pensamentos, em um ciclo interminável de saudade, lembrança, perdão e depois contemplação.

2. The King of Pigs – Yeon Sang-ho

A violência pode ser um elemento imprevisto, mas não há nada ocasional neste estudo angustiante da animalidade humana no trabalho de 2013 de Yeon Sang-ho.

Os ex-colegas de escola Kyung-min e Jong-suk têm motivos do passado para ficarem juntos e apresentarem perigos a serem enfrentados.

Discutindo uma hierarquia de classes profundamente arraigada na sociedade coreana, The King of Pigs (o rei dos porcos) prova que uma influência corrosiva não poupará ninguém, incluindo relações interpessoais e amizades. Ninguém está seguro neste novo mundo do século XXI.

3. I Lost My Body – Jérémy Clapin

Primeira longa-metragem criada por Jérémy Clapin. A hipnotizante história de uma mão perdida em I Lost My Body rapidamente se tornou um sucesso de festival (começando com a vitória na Semana da Crítica de Cannes) e uma sensação crítica, fora do mundo da animação.

É merecido, pois Clapin não sacrifica sua abordagem para entrar em um formato de longa-metragem mais ‘convencional’.

I Lost My Body é definitivamente um filme de arte, que busca contato genuíno (dobrando seus personagens 3D para um visual 2D) em vez de preocupações chamativas.

O mundo do entregador de pizza que Naufel Clapin descreve parece abandonado e solitário, mas muito real ao mesmo tempo. Nada é desperdiçado neste filme impressionante.

4. Consuming Spirits – Chris Sullivan

Existem famílias disfuncionais, e existem os personagens da angustiante e sincera obra de Chris Sullivan, Consuming Spirits.

Os três personagens recortados do jornal Daily Suggester da cidade de Magguson não ousariam sonhar muito; eles odeiam seu presente e estão irrevogavelmente presos em seu próprio passado desenhado à mão.

O fato de Sullivan dar a seus personagens uma ilusão de mudança (ajudada por uma mistura de alegorias de animação) não esconde o fato de que a verdade pode ser complexa e inevitável.

Hipnótico em seu desenrolar, Consuming Spirits é um tratamento mais do que sóbrio da esperança perdida de uma pequena cidade, executado com perfeição!

Hellen

Sou focada em resultados e sempre busco a performance em minhas ações, carrego a praticidade no meu DNA e acredito que o menos é mais cabe em todas as situações. Atuo no mercado digital há mais de 10 anos, sendo que muitos deles trabalhando como freelancer. Sou formada em Publicidade e Propaganda pela Uninove, Pós-Graduada em Comunicação e Marketing pela USP. Especialista em Links Patrocinados pelo Google e Marketing Performance pela Universidade do Vale do Silício, Udacity.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo